O que você precisa saber sobre o visto de trabalho americano (H-1B Visa) - Daqui pra Fora | Faculdade nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido

O que você precisa saber sobre o visto de trabalho americano (H-1B Visa)

Se você está próximo a terminar seu período de OPT e pretende continuar nos EUA, você tem duas opções: aplicar para o visto de trabalho (H1B visa) ou voltar para a faculdade em um programa de pós-graduação (masters degree), retornando assim para o visto de estudante (F1 visa). Nesse post iremos focar no processo do H1B Visa.

Sobre o H1B

O H1B é um visto obrigatoriamente vinculado a um emprego. O requerente depende do interesse de uma empresa em patrociná-lo, ou seja, entrar com o processo de solicitação desse visto junto a USCIS (United States Citizenship and Immigration Services). Esse processo consiste em:

1. O envio da petição de trabalho feito pela empresa americana contratante via o preenchimento de formulários específicos (ETA-9035 e I-129 Forms – Labor Certification for H1B);

2. A partir da análise dessa petição, a USCIS classifica a petição em um desses dois grupos: Regular Quotas, para requerentes com nível superior completo, ou Masters Quotas, para aqueles que já possuem uma pós graduação (Masters Degree);

3. Se o numero de petições classificadas como Master ou Regular Quotas ultrapassar o numero limite concedido por ano para cada classe (Master 20.000 e Regular 65.000), essas petições passam por um processo de “loteria” onde todas as petições classificadas entram em um sorteio para definir quais serão selecionadas;

4. Após a seleçãoo das petições Masters e Regular Quotas, a USCIS envia essas petições para centros de serviços especializados que darão prosseguimento no processo. Nesse momento o requerente recebe o EAC number para acompanhar o processo;

5. As petições não-selecionadas são devolvidas para as empresas contratantes.

Embora pareça ser um processo relativamente simples, a avaliação da USCIS para a concessão do H1B é bem restrita, para começar pelo tipo de trabalho que o requerente irá exercer. Essa atividade requer um conhecimento teórico e prático especializado, algo que os avaliadores considerem agregar de forma diferenciada ao mercado americano naquele momento específico do país.

Agora que você entendeu como funciona o processo, segue algumas dicas para aumentar as chances de ter sua petição aprovada para o H1B Visa.

A primeira delas tem a ver com o tipo de empresa que estará te patrocinando. Empresas sem fins lucrativos (non-profits) e empresas ligadas a educação superior (higher education) estão isentas da loteria. Isso significa que se o requerente estiver tentando o H1B via alguma dessas empresas, ele não correrá o risco de ficar de fora da Quota simplesmente porque não foi sorteado.

Outro fator que aumenta as chances de conseguir o H1B é ter concluído o mestrado. As primeiras 20.000 petições de requerentes que tem um mestrado no currículo também não passam pela loteria (Masters Quotas). Apenas após completado esse número que o requerente com mestrado entra na loteria competindo com os Regular Quotas. Aqui é importante ressaltar algumas datas: dia 1º de abril é quando o processo abre e a USCIS recebe as petições por aproximadamente 10 dias. Então o ideal é estar com a documentação toda pronta entre fevereiro e março para não perder tempo. Em 2016 a “loteria” aconteceu no dia 13 de abril. Depois da loteria a USCIS encerra o prazo para o recebimento das petições.

É importante ressaltar que se tornar um profissional diferenciado – e isso não está ligado exclusivamente a experiência de trabalho, mas principalmente a atitude, vontade de aprender, envolvimento, proatividade, etc., fará com que as empresas façam de tudo para te manter com elas.

Atualmente temos dois exemplos de alunos com esse perfil que, mesmo tendo o visto H1B negado na primeira tentativa, as empresas acharam maneiras de conseguir manter esses profissionais. São eles: Pedro Petribu (contratado pela Price Waterhouse Coopers – PWC) e Beatriz Troiano (contratada pelo Deutsche Bank), ambos sempre muito preocupados em serem alunos exemplares e se tornarem profissionais “fora da curva”. Tanto o Pedro quanto a Beatriz não conseguiram o visto H1B na primeira tentativa, então suas empresas os transferiram para trabalhar em filiais fora dos EUA para que então se abrisse a a possibilidade do visto L1.

Após pelo menos 12 meses trabalhando em uma empresa, o colaborador pode ser transferido para os EUA utilizando o visto L1, que tem validade de 5 anos. As empresas então utilizam dessa estratégia para manter os colaboradores que elas não querem perder: alocam eles em suas filiais fora dos EUA (no caso do Pedro para Toronto e a Bia para Londres) e, após 1 ano, esse colaborador torna-se apto para o visto L1, podendo assim retornar aos EUA. Durante os 5 anos subsequentes concedidos pelo L1 a empresa continua tentando o visto H1B para seu colaborador.

De uma maneira ou de outra a trajetória que você irá construir a partir do momento que pisar nos EUA pela primeira vez para cursar a faculdade será crucial para as oportunidades que irão surgir no futuro. Pense nisso e trabalhe duro para alcançar seus objetivos!



Comentários