3 coisas que você precisa saber para cursar uma Faculdade de Direito nos Estados Unidos - Daqui pra Fora | Faculdade nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido

3 coisas que você precisa saber para cursar uma Faculdade de Direito nos Estados Unidos

A carreira jurídica é uma das mais desejadas pelos brasileiros e os diversos filmes e séries norte-americanos sobre advogados despertaram em muitos jovens a vontade de cursar a Faculdade de Direito nos Estados Unidos.

Estudar no exterior tem diversas vantagens, pois além de permitir ao estudante o contato com outras culturas, ainda torna o seu currículo mais valorizado.

Se o seu desejo é se tornar um advogado de sucesso, acompanhe o post e veja como é estudar Direito em terras norte-americanas.

1. Como é o curso e qual é a sua duração?

Por mais estranho que isso pareça, nos Estados Unidos o curso de Direito não é uma graduação. Trata-se uma espécie de pós-graduação, por isso só é possível candidatar-se à admissão da escola de Direito e ingressar em uma Law School as pessoas que já concluíram um curso superior — não é permitido que o aluno saia do Ensino Médio e comece o curso, como ocorre no Brasil.

Vamos explicar melhor: o que no Brasil é conhecido como “graduação”, nos Estados Unidos é chamado de “undergraduate”. Já as escolas como Direito e Medicina são chamadas de “graduate” ou “grad school” — um nível depois da undergraduate.

Em regra, os estudantes de todas as áreas podem entrar em uma Law School, pois não é necessário cursar uma graduação que esteja relacionada à área jurídica para ingressar na graduate.

Enquanto no Brasil o curso de Direito tem a duração de cinco anos, nos Estados Unidos, justamente por se tratar de uma pós-graduação, é possível concluí-lo em apenas três anos, uma vez que, em tese, os alunos já ingressam na sala de aula com grande conhecimento básico das matérias fundamentais.

Quanto ao conteúdo lecionado em sala de aula, o Direito norte-americano se baseia mais no estudo de casos do que nas leis. A Constituição, que foi criada em 1789, tem apenas 7 artigos e 27 emendas, já as leis mudam conforme o estado — em alguns locais a pena de morte é permitida e em outros não, por exemplo.

Dessa maneira, o sistema de ensino adotado é o common law, pois aprender com base apenas nas leis se torna inviável. Para eles é fundamental estudar diversos casos reais, bem como os costumes e as jurisprudências, visando entender como a lei foi aplicada na prática e por qual razão.

Inclusive, o case briefing é uma atividade muito comum entre os acadêmicos de Direito, que consiste na identificação dos principais elementos dentro de um caso.

2. Quais são as universidades americanas mais renomadas no curso de Direito?

Existem diversas faculdades de Direito norte-americanas excelentes e que têm reconhecimento no mundo todo. Inclusive, de acordo com o ranking criado pela Quacquarelli Symonds (QS), os Estados Unidos concentra as melhores universidades de Direito do mundo (ao lado do Reino Unido).

Harvard University

Universidade de Harvard, localizada em Cambridge, no estado de Massachusetts, ficou com o primeiro lugar e foi considerado que o seu curso de Direito é o melhor do mundo! De acordo com os critérios de avaliação, a sua nota de reputação acadêmica foi 100 (a nota máxima) e, entre os empregadores, sua nota de reputação foi 99,5.

Yale University

A Universidade de Yale, situada em New Haven, Connecticut, ganhou a quarta posição do ranking — ficando atrás apenas de Harvard e de duas universidades britânicas. Sua nota de reputação acadêmica foi de 96,3 e a sua reputação entre empregadores ficou em 89,2.

New York University

A Universidade de Nova Iorque que, como o próprio nome sugere, fica localizada na cidade de Nova Iorque, ficou em quinto lugar, com conceito acadêmico 98,1. Entre os empregadores, recebeu nota 78,9.

Stanford University

Universidade de Stanford, que fica em Palo Alto, na Califórnia, ficou com a sexta posição. Sua reputação academia foi 89,9. Já entre os empregadores, seu conceito é maior e recebeu nota 92.

3. Como é o processo seletivo para entrar em uma faculdade de Direito nos Estados Unidos?

Cada universidade define os critérios do seu processo seletivo e, para saber o que é exigido por cada uma delas, é preciso entrar em contato diretamente com a instituição de ensino. Por isso buscar informações em seus respectivos sites é um bom começo.

Muitas faculdades exigem o TOEFL, um teste realizado pela internet em um centro de aplicação, que visa medir a proficiência da língua inglesa. Sua nota vai de 0 a 120, sendo que 61 pontos é o mínimo exigido para a aprovação. Entretanto, cada faculdade pode definir uma pontuação diferente para aprovar os alunos em seu processo seletivo, e as melhores, como Harvard e Yale, costumam cobrar notas acima de 100 pontos.

É interessante fazer uma carta dirigida ao comitê de admissão da universidade falando sobre quem você é e como é a sua vida, por que você merece entrar na instituição e o seu interesse no curso.

Cartas de recomendação bem redigidas (geralmente duas ou três), também são bem vistas e podem ajudar na admissão. As recomendações devem ser feitas por pessoas com credibilidade, como os seus professores, sua universidade ou seu chefe, por exemplo.

Ter ótimas notas durante a graduação também é importante, pois o seu histórico escolar e o seu desempenho acadêmico são verificados pelas universidades. Costuma ser feito um cálculo médio de notas chamado GPA e a nota média dos alunos que ingressam nas universidades de Direito é de 3.7, sendo que a nota máxima é 4.

Algumas universidades ainda exigem a realização do SAT (Scholastic Aptitude Test ou Scholastic Assessment Test) e/ou do ACT (American College Testing), exames padronizados que avaliam os estudantes.

Esses são apenas alguns exemplos do que geralmente é exigido para a aprovação nos processos seletivosdas universidades norte-americanas, mas é importante saber que os critérios podem mudar de acordo com a instituição.

Se você se interessou por estudar no exterior, continue a visita em nosso blog e veja quais são as 7 melhores universidades dos Estados Unidos segundo o ranking USNews.



Comentários